sexta-feira, 16 de novembro de 2018

RELEMBRANDO GETÚLIO MARINHO (AMOR)

GETÚLIO MARINHO (AMOR).
A Noite Illustrada, 03 de fevereiro de 1932, p.9.
http://memoria.bn.br



Hoje vamos relembrar o compositor e instrumentista GETÚLIO MARINHO, o “Amor”.

Getúlio Marinho da Silva nasceu em Salvador (BA), em 15 de novembro de 1889, sendo filho de Paulina Teresa de Jesus e de Antonio Marinho da Silva. Quando ele tinha seis anos de idade, a família se mudou para o Rio de Janeiro. Seu apelido “Amor” vinha desde a infância.

Getúlio foi criado frequentando as casas das tias baianas, como Bebiana, Gracinda, Ciata e Calu Boneca. Também participou dos primeiros ranchos carnavalescos cariocas criados por baianos do bairro da Saúde. Aprendeu, com o pioneiro Hilário Jovino Ferreira, a coreografia dos mestres-sala dos ranchos, tornando-se um grande especialista nesta arte, segundo o Dicionário Ricardo Cravo Albin da Música Popular Brasileira.

Sua carreira artística teve início em 1916, quando ele atuou como dançarino na revista Dança de Velho, levada à cena no Theatro São José, onde estrelavam Pepa Delgado, Júlia Martins e Alfredo Silva. Atuando como mestre-sala, teve destaque durante a década de 1920.

Sua primeira composição gravada aconteceu em 1930, com o samba Não quero o teu Amor, realizada na Odeon pelo Conjunto Africano.

Frequentador de terreiros de Umbanda, conheceu Pais de Santos famosos como João Alabá, Assumano e Abedé, recolhendo pontos de santos que levaria para os discos. Moreira da Silva foi um dos cantores que gravou alguns de seus pontos de santos no começo da década de 1930.

Também compôs ritmos como samba, marcha e valsa, dentre outros, que seriam gravados por Francisco Alves, Aurora Miranda, Luís Barbosa, Patrício Teixeira, Jayme Vogeler, J. B. de Carvalho, Orlando Silva, Nelson Gonçalves, entre outros artistas.

Um de seus sucessos foi o samba Apanhando Papel, gravado em 1931 por Francisco Alves; que também lançaria em 1936 o clássico junino Pula a Fogueira, que Getúlio Marinho compôs em parceria com João Bastos Filho.

Getúlio Marinho faleceu no Rio de Janeiro em 31 de janeiro de 1964, aos 74 anos de idade.


Vamos conferir algumas de suas composições. Duas delas, pontos de santos de sua autoria gravados por ele mesmo, enquanto as demais são interpretadas por artistas dos anos 30 e 40




Getúlio Marinho Intérprete

PONTO DE INHASSAN
Macumba de Getúlio Marinho
Gravada por Getúlio Marinho
Acompanhamento do Conjunto Africano
Disco Odeon 11.481-A, matriz 5533
Gravado em 09 de março de 1937 e lançado em junho



PONTO DE OGUM
Macumba de Getúlio Marinho
Gravada por Getúlio Marinho
Acompanhamento do Conjunto Africano
Disco Odeon 11.481-B, matriz 5534
Gravado em 09 de março de 1937 e lançado em junho




Getúlio Marinho Compositor

APANHANDO PAPEL
Samba de Getúlio Marinho e Ubiratan da Silva
Gravado por Francisco Alves
Acompanhamento dos Bambas do Estácio
Disco Odeon 10.767-A, matriz 4124-1
Gravado em 30 de janeiro de 1931 e lançado em março



VOU-ME REGENERAR
Samba de Getúlio Marinho
Gravado por Francisco Alves
Acompanhamento da Orquestra Copacabana
Disco Odeon 10.873-B, matriz 4390
Gravado em 09 de dezembro de 1931 e lançado em 1932



NÃO GOSTEI DE SEUS MODOS
Samba de Getúlio Marinho (Amor)
Gravado por Luís Barbosa e Vitório Lattari
Acompanhamento da Orquestra Copacabana
Disco Odeon 10.879-B, matriz 4388
Gravado em 09 de dezembro de 1931 e lançado em 1932



NA FAVELA
Samba de Getúlio Marinho (Amor)
Gravado por Moreira da Silva
Acompanhamento do Conjunto Africano
Disco Odeon 10.896-A, matriz 4394
Lançado em 1932



EU SOU É BAMBA
Samba de Getúlio Marinho (Amor)
Gravado por Moreira da Silva
Acompanhamento do Conjunto Africano
Disco Odeon 10.896-B, matriz 4393
Lançado em 1932



ATÉ DORMINDO SORRISTE
Samba de Getúlio Marinho e Valdemar da Silva
Gravado por Jayme Vogeler
Acompanhamento da Orquestra Copacabana
Disco Odeon 10.985-B, matriz 4545
Gravado em 11 de novembro de 1932 e lançado em março de 1933



VOU TE DAR
Samba de Getúlio Marinho e Alcebíades Barcelos
Gravado por Luís Barbosa
Acompanhamento da Orquestra Copacabana
Disco Odeon 10.971-B, matriz 4586
Gravado em janeiro de 1933 e lançado em janeiro/fevereiro desse mesmo ano



BUMBA NO CANECO
Batucada de Getúlio Marinho e Orlando Vieira
Gravada por Luís Barbosa
Acompanhamento da Orquestra Copacabana
Disco Odeon 10.974-A, matriz 4594
Gravado em 24 de janeiro de 1933 e lançado em janeiro/fevereiro desse mesmo ano



TENTAÇÃO DO SAMBA
Samba do Partido Alto de Getúlio Marinho e João Bastos Filho
Gravado por Patrício Teixeira
Acompanhamento do Grupo da Guarda Velha, sob a  direção de João Martins
Disco Victor 33.633-A, matriz 65660-2
Gravado em 02 de fevereiro de 1933 e lançado em março



QUANDO ME VEJO NUM SAMBA
Samba de Getúlio Marinho (Amor)
Gravado por Patrício Teixeira
Acompanhamento do Grupo do Canhoto
Disco Victor 33.818-B, matriz 65735-1
Gravado em 17 de maio de 1933 e lançado em setembro de 1934



DE QUEM SERÁ?
Marcha de Getúlio Marinho e João Bastos Filho
Gravada por Castro Barbosa
Acompanhamento dos Diabos do Céu e Coro
Disco Victor 33.899-A, matriz 79795-1
Gravado em 04 de dezembro de 1934 e lançado em fevereiro de 1935



MOLHA O PANO
Samba de Getúlio Marinho e Vasconcelos
Gravado por Aurora Miranda
Acompanhamento do Grupo Odeon
Disco Odeon 11.320-A, matriz 5213
Gravado em 16 de dezembro de 1935 e lançado em janeiro de 1936



PULA A FOGUEIRA
Marcha de Getúlio Marinho (Amor) e João Bastos Filho
Gravada por Francisco Alves
Acompanhamento do Conjunto Regional RCA Victor
Disco Victor 34.068-A, matriz 80163-1
Gravado em 21 de maio de 1936 e lançado em junho



Ê TIMBETÁ
Jongo de Getúlio Marinho (Amor)
Gravado por J. B. de Carvalho
Acompanhamento do Conjunto Tupy
Disco Victor 34.075-B, matriz 80168-1
Gravado em 27 de maio de 1936 e lançado em julho



QUAL FOI O MAL QUE TE FIZ
Samba de Getúlio Marinho e O. Patrício
Gravado por Henricão
Acompanhamento de Os Caiçaras
Disco Odeon 11.565-B, matriz 5732
Gravado em 10 de dezembro de 1937 e lançado em fevereiro de 1938



VAI AMOR
Samba de Getúlio Marinho e João Bastos Filho
Gravado por Nelson Gonçalves
Acompanhamento de Benedito Lacerda e Seu Regional
Disco Victor 80-0130-B, matriz S-052837-1
Gravado em 17 de setembro de 1943 e lançado em novembro



NADIR
Valsa de Getúlio Marinho e João Bastos Filho
Gravada por Nelson Gonçalves
Acompanhamento de Regional
Disco Victor 80-0198-A, matriz S-052968-1
Gravado em 30 de maio de 1944 e lançado em agosto










Agradecimento ao Arquivo Nirez
Fonte - http://dicionariompb.com.br/amor










quinta-feira, 15 de novembro de 2018

JESY BARBOSA - 116 ANOS

JESY BARBOSA
O Cruzeiro, 1932.
http://memoria.bn.br



Há 116 anos nascia a cantora e poetisa JESY BARBOSA.

Jesy de Oliveira Barbosa nasceu em Campos (RJ), em 15 de novembro de 1902. Era filha da musicista Victoria Barbosa e do jornalista e poeta Luiz Barbosa (não confundir com o cantor).

Jesy (pronuncia-se Jezí) Barbosa também foi violonista, jornalista, poetisa, rádio atriz e autora de rádio novelas.

Jesy Barbosa estudou canto com a soprano Zaíra de Oliveira, conquistando a admiração de sua professora. Assim como o pai, começou a escrever poemas e crônicas, publicados na imprensa dos anos 20. Em 1928 seu nome começa a aparecer na programação de rádios como a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro.

Em 1929 a gravadora Victor instalava sua filial no Rio de Janeiro para fazer gravações nacionais. Jesy Barbosa já era uma cantora conhecida e apreciada no rádio e a Victor logo a contratou, fazendo grande publicidade em torno de seu nome. Nesse mesmo ano, Jesy gravava seu primeiro disco, sendo também a primeira intérprete feminina a gravar nesta empresa. Seu disco de estreia trazia a canção de Josué de Barros, Olhos Pálidos, que ela já cantava no rádio. Ela contou depois uma história inusitada sobre a música: um juiz havia pedido à esposa que na hora de sua morte tocasse essa canção, pois ele muito a apreciava. Do lado B, o disco trazia o samba canção de Zizinha Bessa, Medroso de Amor. Ao todo, ela gravou 48 músicas em gravadoras como Victor, Odeon, Parlophon e Columbia. No final de 1930, fez algumas gravações na Victor de São Paulo. Também fez a versão do fox trot Amor, que ela mesma gravou em 1930.



JESY BARBOSA
Vida Doméstica, 1930.
Arquivo Nirez

Após parar de gravar, por volta de 1933, Jesy Barbosa dedicou-se ao jornalismo e a atuar no rádio como rádio atriz e autora de rádio novelas. Trabalhou em várias rádios, como Rádio Clube do Brasil, Rádio Tupi, Rádio Globo e Rádio Nacional. Nesta última, escreveu a rádio novela Ressurreição.

Em 1930 Jesy Barbosa venceu o concurso promovido pelo jornal Diário Carioca, sendo eleita Rainha da Canção Brasileira.

Seu nome era grafado pela imprensa, em menor intensidade, como Gesy Barbosa ou Jessy Barbosa.


JESY BARBOSA
O Malho, 1934.
http://memoria.bn.br

Sua carreira sempre foi pontuada de muito trabalho, dedicando-se à música, poesia e jornalismo. Em 1963 ela lançou o livro de poesias, Cantigas de quem Perdoa, pela livraria Freitas Bastos, de São Paulo. Mesmo com tamanha dedicação ao trabalho, foi prejudicada ao se aposentar, pois em sua carteira de trabalho constava a função de colaboradora e não a de jornalista.


Jesy Barbosa
Fon Fon, 1944
http://memoria.bn.br


Por volta de 1984, aos 82 anos, concedeu uma entrevista gravada pelo cantor e radialista Paulo Tapajós e o pesquisador cearense Jairo Severiano, onde conta fatos sobre sua vida, relembrando sua carreira no rádio e no disco. Já trouxemos trechos dessa entrevista aqui no Blog (http://bit.ly/jesybarbosa29).

Por ocasião dos 30 anos do seu falecimento, fizemos a seguinte postagem: http://bit.ly/2FmTYYc.

Jesy Barbosa faleceu no Rio de Janeiro, em 30 de dezembro de 1987, aos 85 anos de idade.


Vamos conferir algumas de suas gravações, realizadas entre 1929 e 1933, onde Jesy Barbosa apresenta sua bela voz e dicção perfeita, embaladas por bonitas melodias de um tempo especial da nossa música popular.




BALAIO
Maxixe de Marcelo Tupinambá
Gravado por Jesy Barbosa e Mário Pessoa
Acompanhamento da Orquestra Victor
Disco Victor 33.219-A, matriz 50065-2
Gravado em 28 de setembro de 1929 e lançado em novembro



MINHA VIOLA
Canção de Randoval Montenegro
Gravada por Jesy Barbosa
Acompanhamento de Rogério Guimarães ao violão
Disco Victor 33.264-A, matriz 50188-1
Gravado em 26 de fevereiro de 1930 e lançado em abril



VOLTA
Tango Canção de Mário Lopes de Castro
Gravado por Jesy Barbosa
Acompanhamento de Conjunto Típico
Disco Victor 33.269-B, matriz 50189-2
Gravado em 26 de fevereiro de 1930 e lançado em junho



SAUDADE DANADA
Canção de Joubert de Carvalho
Gravada por Jesy Barbosa
Acompanhamento de Rogério Guimarães ao violão
Disco Victor 33.283-B, matriz 50230-2
Gravado em 09 de abril de 1930 e lançado em maio



CORAÇÃO FECHA OS OUVIDOS
Canção de Osvaldo Orico e Zizinha Bessa
Gravada por Jesy Barbosa
Acompanhamento de Rogério Guimarães ao violão
Disco Victor 33.309-B, matriz 50220-2
Gravado em 29 de março de 1930 e lançado em fevereiro de 1931



CANÇÃO DA SAUDADE
Canção de Randoval Montenegro
Gravada por Jesy Barbosa
Acompanhamento de violões
Disco Victor 33.332-B, matriz 50348-1
Gravado em 23 de junho de 1930 e lançado nesse mesmo mês



SAUDADE QUE MATA
Canção de Jota Machado
Gravada por Jesy Barbosa
Acompanhamento de Quarteto
Disco Victor 33.455-A, matriz 65037-1
Gravado em 21 de novembro de 1930 e lançado em agosto de 1931



IMPOSSÍVEL
Tango de Gastão Lamounier e Martins Capistrano
Gravado por Jesy Barbosa
Acompanhamento da Orquestra Guanabara
Disco Parlophon 13.303-B, matriz 131128
Lançado em 1931



SE ME ABANDONAS
Samba Canção de Aldo Taranto, Nascimento e André Filho
Gravado por Jesy Barbosa
Acompanhamento do Grupo do Martins
Disco Victor 33.486-A, matriz 65248-2
Gravado em 09 de outubro de 1931 e lançado em novembro



UM BEIJO NÃO É PECADO
Samba de Gastão Lamounier e Valdo Abreu
Gravado por Jesy Barbosa
Acompanhamento de Rogério Guimarães e Jacy Pereira aos violões
Disco Victor 33.632-A, matriz 65471-2
Gravado em 25 de abril de 1932 e lançado em março de 1933



ILUSÃO DE AMOR
Tango Canção de Homero Dornelas e Bastos Carvalho
Gravado por Jesy Barbosa
Acompanhamento da Orquestra Victor Brasileira, sob a direção de João Martins
Disco Victor 33.707-A, matriz 65453-2
Gravado em 13 de abril de 1932 e lançado em outubro de 1933



SAUDADES DO ARRANHA CÉU
Fox Canção de J. Thomaz e Orestes Barbosa
Gravado por Jesy Barbosa
Acompanhamento de J. Thomaz e Sua Orquestra
Disco Columbia 22.236-B, matriz 381520
Lançado em 1933



OLHOS PERDIDOS
Fox Canção de J. Thomaz e Orestes Barbosa
Gravado por Jesy Barbosa
Acompanhamento de J. Thomaz e Sua Orquestra
Disco Columbia 22.236-B, matriz 381521
Lançado em 1933



NINHO DESFEITO
Canção de Zelita Vilar e Réa Cibele
Gravada por Jesy Barbosa
Acompanhamento da Orquestra Copacabana
Disco Odeon 11.024-A, matriz 4658
Gravado em 28 de abril de 1933 e lançado em junho



NUNCA MAIS
Fox Trot de Zelita Vilar e Réa Cibele
Acompanhamento da Orquestra Copacabana
Disco Odeon 11.024-B, matriz 4659
Gravado em 28 de abril de 1933 e lançado em junho










Agradecimento ao amigo Gilberto Inácio Gonçalves e ao Arquivo Nirez










Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...