sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

P´RA VOCÊ GOSTAR DE MIM (TAÍ) - 1930

Carmen Miranda vestida de Cigana, para o Carnaval de 1930.


Marcha Canção do médico e compositor Joubert de Carvalho.

Em uma tarde de Janeiro de 1930, Joubert passava pela Rua Gonçalves Dias, quando o gerente da Casa Melodia, Sr. Abreu, o chamou para que ouvisse um disco recém-lançado de uma cantora novata.
Tratava-se da canção toada “Triste Jandaya”,
da autoria de Josué de Barrose gravada pela iniciante Carmen Miranda.

Ao ouvir a música, Joubert sentiu uma emoção estranha: “Era como se eu além de ouvir a intéprete, a estivesse vendo também, tal era a personalidade marcante que jorrava da gravação. O Abreu notou o meu entusiasmo e repetimos várias vezes o disco, cada vez me agradando mais, a ponto de pedir encarecidamente ao Abreu que me apresentasse à Carmen”.

Joubert ainda conversava com seu amigo quando Carmen surgiu na loja, elegantemente vestida.
Abreu, ao vê-la, exclamou: “Taí a nova cantora...”.

Os dois foram apresentados e o compositor ficou encantado com a graça e alegria radiante da jovem intérprete, que logo exprimiu seu interesse de compor algo pra ela. Agradecendo, bastante sensibilizada, Carmen deu seu endereço na Travessa do Comércio, onde o autor de “Príncipe” e “Bocca Pintada” a procuraria no dia seguinte.

Ao sair da loja, ele já tinha uma melodia na cabeça e a frase de Abreu,
aquele “Taí a nova cantora...”, não saia de sua mente.

Em menos de 24 horas, Joubert estava na porta de Carmen. Quando ela abriu, ele não a reconheceu, pois estava com roupas de casa, ao que ela exclama: “Sou eu mesma... Você não esta me reconhecendo porque estou sem a mascara de ontem...Suba, suba.”

Diante do espanto da moça, ele entregava-lhe a música prometida. Tratava-se de uma marcha canção, com o título de “P´ra Você Gostar de Mim”.

“Dispunha-me a lhe ensinar a cantar a marchinha ... Quando ela, com muito espírito e seus olhos brejeiros, vivos, maliciosos, fez a seguinte observação:
‘Não precisa me ensinar que na hora da bossa eu entro com a boçalidade...”

A idéia de Joubert é que a música fosse uma marcha canção, não tendo finalidade carnavalesca. Foi gravada por Carmen e a Orchestra Victor, sob regência de Pixinguinha, na Victor em 27 de Janeiro de 1930.
Nos registros da gravação vem como Marcha Carnavalesca. Entre o encontro de Joubert e Carmen e a data da gravação, tudo aconteceu em menos de um mês.

Pixinguinha deu um novo andamento à música, e com a magistral interpretação de Carmen, surgia uma deliciosa marchinha de carnaval, a qual o povo rebatizaria mais tarde como “Taí”.

Antes dessa gravação, já havia outra feita por Carmen que chegaria às lojas primeiro. Tratava-se da marcha Carnavalesca de Josué de Barros “Yayá,Yoyô”. O interessante é que durante a gravação Carmen errou ao cantar o refrão, dizendo “Yayô”, quando o certo seria “Yayá”. Como o disco saiu assim mesmo, é de se pensar que os responsáveis pela divulgação não acreditavam que a marchinha faria sucesso. Mas fez!
E foi uma das mais cantadas no carnaval de 1930, embora a marchinha de Josué fosse mais cantada.

Embora a marchinha de Josué fosse mais cantada, “P´ra Você Gostar de Mim” ou “Thaí”, logo cai no gosto do povo, sendo também uma das mais repetidas, não só no carnaval como durante todo o ano de 1930, sendo um enorme sucesso no carnaval de 1931; fato raro na história do Carnaval, onde uma música “abafou a banca” dois anos seguidos!




Taí!
Eu fiz tudo p´ra você gostar de mim
Oh! Meu bem, não faz assim comigo não!
Você tem, você tem que me dar seu coração

Meu amor não posso esquecer
Se dá alegria faz também sofrer
A minha vida foi sempre assim
Só chorando as mágoas que não tem fim
Essa história de gostar de alguém
Já é mania que as pessoas têm
Se me ajudasse Nosso Senhor
Eu não pensaria mais no amor






4 comentários:

  1. Que bela homenagem ao carnaval! Adoro Taí e a Carmen Miranda. Ah, como eu não daria tudo pra ser transportada por alguns minutos para a folia carnavalesca dos anos 30 e ver a Carmen cantando ao vivo!

    Bjos e bom carnaval!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Marcelo, Saudações! Parabéns pelo belo trabalho! Fico aqui com um comentário: Essa marcha foi gravada e se chama oficialmente "Prá você gostar de mim". Popularmente, desde a gravação original, é chamada de "Taí". Acontece que em meados dos anos cinquenta, quando do seu relançamento em LP 10" por ocasião da morte da cantora, a marcha foi nomeada "Tha-í", provavelmente por Elmo Barros, responsável, á epoca, pelas contracapas da RCA. O curioso é que, pela ortografia de 1955, "Taí" não se escrevia com H e, muito menos, pela ortografia antiga anterior a 1943. Assim, "Taí" sempre deveria ter sido "Taí", e não "Thaí" ou "Tha-í". Penso que essa denominação surgiu por puro capricho pessoal naquela contracapa.
    é isso.
    Abraço,
    Milton

    ResponderExcluir
  3. Milton!
    Tudo bem?
    Obrigado pela informação importante.
    Achei melhor corrigir pra ficar de acordo com a ortografia da época.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. Olá Marcelo! Quero retificar meu comentário anterior, sobre o "Ta-hi". Em verdade, parece que Elmo Barros, na RCA, não criou o termo "Ta-hi". Em conversa recente com o Djalma, que possue partituras antigas de sucessos da Victor, a marcha "Prá você gostar de mim" aparecia em catálogo no início de 1930 sem o apelido. Já no final do mesmo ano o termo "Ta-hi" passou a acompanhar o título original, para nunca mais largá-lo, nem mesmo numa gravação de Lolita França no final dos anos 30. Assim, muda-se o papel de Elmo Barros na história: Ele não criou o termo, mas sim "ressuscitou-o", com grafia antiga e tudo, na metade da década de 50, em LP lançado pela RCA após a morte da Carmen.
    É isso.
    Abraço,
    Milton

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...