quinta-feira, 31 de maio de 2012

GERALDO MAGALHÃES, 134 anos



Geraldo Magalhães foi um dos mais notáveis e populares cantores das primeiras décadas do século XX.
Nascido em São Gabriel, Rio Grande do Sul, em 31 de maio de 1878, começou a cantar nos chopps berrantes e cafés cantantes, que eram muito populares na vidara do século XIX para o XX. Esses locais eram bares onde havia um pequeno palco. Ali, as pessoas iam beber, conversar e apreciar as apresentações de artistas.
No Rio de Janeiro, Geraldo apresentou-se em lugares como Ao Chopp Grande, onde sua volumosa voz de barítono foi logo notada. Não foi somente nos palcos que ele se destacou, pois, várias vezes, saia fazendo serenatas pelas ruas.
Já conhecido pela cidade, fez sua estréia teatral na Rua do Lavradio, no Salon de Paris. Em seu repertório não faltavam os lundus e cançonetas, bem ao gosto da época. Daí, foi para o Largo da Lapa, no Alcazar Parque (não confundir com o outro Alcazar, que existiu até o final do século XIX). Foi nessa ocasião em que formou dupla com Margarita, ou Margherite, que se apresentava como castelhana e, ao seu lado, interpretava cançonetas picantes como o Dueto do Buraco.

Em nossa música, com destaque ao teatro de revista e os cafés concertos, a melodia inspirada aliada a versos extremamente maliciosos, sempre esteve presente. Esses versos variavam em seu teor de explicitação. Algumas vezes eram suavemente picantes, outras, bem carregados na pimenta e erotismo. Em 1902, quando se começou a gravar discos no Brasil, todos os ritmos e estilos de composições foram levados à cera. As chamadas trovas alegres, um nome fantasia para a músicas de duplo sentido, carregadas de sensualidade, tiveram um bom lugar na indústria fonográfica, como também o tinham na aceitação do público que freqüentava o teatro de revista.

Na metade da década de 1900, já famoso, Geraldo Magalhães forma, com a também gaucha Nina Teixeira, a dupla Os Geraldos. Foi sua mais famosa parceita. Juntos gravaram dezenas de músicas, algumas clássicos de nosso cancioneiro, como Sacy Pererê e Corta Jaca (Gaúcho), ambas de Chiquinha Gonzaga; ou Vem cá, mulata, de Arquimedes de Oliveira e Bastos Tigre.
Foi com Nina que ele foi até Paris e Lisboa, em uma bem sucedida tournée. Na capital francesa eles levaram o maxixe, que já tinha sido apresentado na década anterior pela atriz Plácida dos Santos (que, também era gaucha).

Geraldo Magalhães gravou sozinho bonitas canções, romanzas e temas populares.
No começo da década de 1910, desfez a parceria com Nina e começou a apresentar-se com a portuguesa Alda Soares, com quem viria a se casar.
Com Alda, passou a morar em Lisboa, abandonando a carreira em 1927.
Nessa mesma cidade ele faleceu, em 11 de julho de 1970, aos 92 anos.


Trovas Sertanejas
Canção
Disco Odeon Record 40.386
Acompanhamento de piano
Lançado em 1905



Que Valem Flores
Modinha
Disco Odeon Record 40.567
Acompanhamento de piano
Disco lançado em 1905




Margarida vai à fonte
Canção popular portuguesa
Disco Odeon Record 40.498
Acompanhamento de piano
Disco lançado em 1906







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...