quinta-feira, 18 de outubro de 2012

AMÉLIA BRANDÃO NERY (TIA AMÉLIA), 29 anos de saudade




Há 29 anos falecia uma nos grandes nomes de nossa música e um dos grandes orgulhos para a cultura nordestina: Amélia Brandão Nery, ou, simplesmente, Tia Amélia. Ela era instrumentista, pianista e compositora.

Nascida em Jaboatão (PE), em 25 de maio de 1897, começou a ter contato com o piano aos 4 anos de idade. Seu pai era maestro da banda da cidade de Jaboatão, e também clarinetista e solista de violão. Sua mãe tocava piano. Aos seis anos, Amélia começou a estudar música, mas, seu pai exigiu-lhe que se dedicasse aos clássicos. Com doze anos, ela compôs sua primeira música, a valsa Gratidão.

Com 17 anos, ela se casou e seu esposo a impediu de seguir carreira como pianista, os planos que ela acalentava. Indo morar em uma fazenda nos arredores de Jaboatão, Amélia tocava somente nas festas de amigos. Ela aproveitou para estudar o folclore musical das cercanias da cidade. Com três filhos, e aos 25 anos, ela ficou viúva. Para criá-los, ela abraçou a carreira artística profissionalmente.

A Rádio Clube de Pernambuco a contratou.

Lá, ela começou a fazer sucesso.

Por volta de 1929, ela vai ao Rio de Janeiro resolver algumas questões de direitos autorais com a gravadora Odeon. Logo, é convidada a dar recital no Teatro Lírico, com grande êxito. Era chamada de a coqueluche dos cariocas. Devido a esse sucesso, ainda se apresentou nas rádios Mayrink Veiga, Sociedade e Rádio Clube do Brasil.

Ao voltar para Recife, continua na Rádio Clube de Pernambuco e retoma suas pesquisas sobre a música folclórica pelo interior do estado.

Em 1930, vários intérpretes de nossa música popular gravaram composições suas: Elisa Coelho, Vicente Cunha, Elsie Houston, Alda Verona, Jararaca, Stefana de Macedo (pernambucana como ela) e Silene Brandão Nery (sua filha).

Voltaria ainda ao Rio de Janeiro para algumas apresentações, quando o Itamarati (em 1933), a convidou para excursionar pelas Américas ao lado de sua filha, Silene , para que elas apresentassem composições inspiradas no folclore brasileiro.

Na Venezuela, o governo local a convidou para permanecer dois anos no país estudando o folclore venezuelano. Ela recusou o convite e partiu para os Estados Unidos, onde foi contratada por uma emissora de rádio de Schenactady, apresentando-se durante cinco meses sob o patrocínio da General Eletric.
Apresentou-se em Nova York e em New Orleans. EM Hollywood, ela e a filha foram convidadas para participar de um filme da RKO ao lado da orquestra de Rudy Vallee, mas não quis apresentar-se cantando e recusou.

Ela e a filha excursionaram pelo Brasil em 1939. Quando Silene se casou, ela resolveu abandonar a carreira, apresentando-se uma única vez no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, antes de se aposentar.

Foi morar em Marília (interior de SP) e, depois, em Goiânia  Lá, na casa de sua filha, conheceu a cantora Carmélia Alves, que era uma grande admiradora do talento de Amélia. Foi Carmélia quem a convenceu voltar a se apresentar. Depois de 17 anos, ela voltava apresentando-se no Rio e em São Paulo, com um repertório de chorinhos de sua autoria, agora com o nome artístico de Tia Amélia.

Apresentou-se nas grandes emissoras de rádio, como a Nacional, e na TV, em SP, nas emissoras Record, Tupi e TV Paulista.

Voltou a gravar discos (inclusive LPs) e a fazer apresentações em Recife.

Em 1960, a TV Tupi do Rio de Janeiro a contratou, onde ela fazia uma retrospectiva da época de ouro do choro brasileiro.

Fez sua última gravação em 1980, aos 83 anos, pelo selo Marcus pereira, com o LP A Benção Tia Amélia, onde interpretava 12 composições inéditas, entre valsas e choros.

Nessa época, o historiador musical José Ramos Tinhorão escreveu sobre ela: "Assim, quando se ouve o som atual de Tia Amélia, pode-se dizer que é toda a história do piano popular brasileiro que soa em sua interpretação".

Amélia Brandão Nery, a Tia Amélia, faleceu em Goiânia (GO), em 18 de outubro de 1983, aos 86 anos de idade.






Agradecimento ao Arquivo Nirez

Fontes:
Foto - Arquivo Nirez
Biografia - http://www.dicionariompb.com.br/

2 comentários:

  1. Parabéns pela postagem. Eu e minha família moramos na casa da rua Duque de Caxias por 25 anos e nunca tínhamos ouvido falar na antiga moradora tão importante.
    Estou muito emocionada.

    ResponderExcluir
  2. Oii, pessoas da minha família tbm moraram lá. Seu sobrenome é Barnabé?

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...