domingo, 29 de abril de 2012

ODETE AMARAL, 95 anos!

1937

Há 95 anos nascia Odete Amaral, a Voz Tropical do Brasil.
Odete nasceu em 28 de abril de 1917 em Niterói (RJ).

Ainda adolescente, era bordadeira e estudava de noite. Por ter uma bela voz e gostar de cantar, sempre era solicitada nas festas de família e no teatro da escola. Sua irmã, percebendo seu potencial, levou-lhe a um teste na rádio Guanabara, em 1935. Acompanhada por Felisberto martins, ao piano, e Pereira Filho, ao violão, ela cantou o samba de Assis valente Minha Embaixada Chegou, do repertório de Carmen Miranda. O teste foi um êxito e ela aprovada com louvor. Logo, foi contratada pela rádio.
Gravou seu primeiro disco em 1936 com os sambas Palhaço, de Milton Amaral e Roberto Cunha, e Dengoso, de Milton Amaral, na Odeon. Depois, foi para a Victor, onde seu primeiro disco trazia Foi de Madrugada (batucada) e Colibri (marcha) ambas da autoria de Ary Barroso.

Na Rádio nacional, 1937.

Em 1937, Odete aparece no filme Samba da Vida, dirigido por Luis de Barros, cantando Luar do Morro, samba de Valfrido Silva, gravado por ela e que, no filme, é cantado de forma mais lenta, como samba canção.
Ela casou-se com o cantor Ciro Monteiro em 1938; união que durou até 1949. Eles tiveram um filho, Ciro Monteiro Jr.

1936

Odete Amaral deixou muitas músicas gravadas em 78 rpm, com sucessos e clássicos inesquecíveis. Sua voz, uma das melhores que já tivemos, encantou gerações, inclusive ao lançar Lps.
Ela faleceu no Rio de Janeiro em 11 de outubro de 1984, aos 67 anos.
Poucos anos depois, eu iria conhecer seu trabalho, através do programa Arquivo de Cera, comandado na Rádio Universitária pelo pesquisador Nirez, e pela gravadora Revivendo, do pesquisador Leon Barg, que lançou alguns Lps com músicas de Odete.


Palhaço
Samba de Milton Amaral e Roberto Cunha
Com a Orquestra Odeon
Disco Odeon gravado em 20 de março de 1936, lançado em maio de 1936.



Dengoso
Samba de Milton Amaral
Com a Orquestra Odeon
Disco Odeon gravado em 20 de março de 1936, lançado em maio de 1936.




Não deixarei o morro
Samba de Juraci Nazaré Araújo e Luís A. Pimentel
Com os Boêmios da cidade
Disco Victor gravado em 25 de maio de 1937
Lançado em outubro desse mesmo ano.



Triste fiquei
Samba de Lauro Paiva e Haníbal Cruz
Com os Boêmios da cidade
Disco Victor gravado em 25 de maio de 1937
Lançado em outubro desse mesmo ano




Ironia
Samba de Ataulfo Alves, Alcebíades Barcelos e Mário Nielsen
Com os Diabos do Céu
Disco Victor gravado em 09 de agosto de 1937 e lançado em janeiro de 1938.



Não mando em mim
Samba de Ataulfo Alves, Alcebíades Barcelos
Com os Diabos do Céu
Disco Victor gravado em 09 de agosto de 1937 e lançado em janeiro de 1938.




Coco babaçu
Samba de César Brasil e Raul Marques
Com Orquestra
Disco Victor gravado em 20 de junho de 1939 e lançado em setembro.




Ciúmes
Samba de Peterpan
Com Regional
Disco Victor gravado em 20 de junho de 1939 e lançado em setembro.










Agradecimento ao Arquivo Nirez






domingo, 22 de abril de 2012

ELSIE HOUSTON, 110 anos!


Há 110 anos, em 22 de abril de 1902,  nascia Elsie Houston, nossa grande pesquisadora/divulgadora do folclore brasileiro pelo mundo.

Ouçamos os cocos do Norte, Coco dendê trapiá e Ai, sabia da mata, ambos de domínio público com arranjo da própria Elsie Houston. Gravado na Columbia, em SP, com o acompanhamento do maestro Gaó, Zezinho, Jonas e Chaves. Gravação de 1930.





Coco dendê trapiá
dá-se um jeitinho de embolá
Embola pai, embola mãe
embola fío, eu também
sou da famía
também quero embolá

Coco dendê trapiá
dá-se um jeitinho de embolá
Embola dó, embola re
embola mi, embola fá
sol, lá si que embolá

------------

Ai sabiá da mata
Ai, sabiá, meu bem
Bota os óio no caminho, sabiá
que lá vem meu bem

Por isso mesmo
sabiá zangou-se
Foi para a mata pra comer melão
Chegou lá, fez pio
Ô pinião, ô pinião, ô pinião



sexta-feira, 20 de abril de 2012

terça-feira, 17 de abril de 2012

LINDA E ROSITA, um memorável encontro

Em março de 1938 a cantora e atriz espanhola Rosita Moreno estava no Rio de Janeiro. Ela atuou em Hollywood ao lado do nosso Raul Roulien e de Carlos Gardel.
No Rio, ela se apresentou na Rádio Nacional, onde conheceu a cantora Linda Batista.
As duas foram fotografadas para a revista Carioca.

O parágrafo abaixo foi copiado na íntegra da revista carioca de março de 1938, com grafia e pontuação original, inclusive a crase ao contrário.

ROSITA MORENO ESTEVE NO RIO - Na semana passada, esteve no Rio, de passagem para Buenos Aires, a graciosa e brilhante artista cinematografica e bailarina Rosita Moreno, que tem aparecido em numerosos "films" americanos e que foi a companheira de Raul Roulien em "O ultimo varão sobre a terra, "Não deixes a porta aberta", "Pernas de sêda" e "Te quero con locura",produções em espanhol da Fox. Rosita foi a Buenos Aires para filmar uma pelicula com Luis Sandrini, comico argentino de renome, e para trabalhar no Teatro Maipú. De regresso, Rosita deve atuar num dos cassinos do Rio. A interessante artista, em companhia de Raul Roulien, esteve na Sociedade Radio Nacional, onde foi apresentada a Oduvaldo Cozzi, Linda Batista e outras figuras que alí se achavam na ocasião, e saudou os brasileiros por intermedio do microfone da PRE-8. As gravuras desta pagina mostram aspectos da visita da galante artista á Sociedade Radio Nacional.


 Fotos do evento


Rosita, Linda e Oduvaldo 


Rosita e Linda



Rosita Moreno na Rádio Nacional





Agradecimento ao Arquivo Nirez.

LINDA BATISTA, 24 anos de saudade


Há 24 anos falecia a eterna Rainha do Rádio, Linda Batista.

domingo, 15 de abril de 2012

GRETA GARBO - 22 ANOS DE SAUDADES


Há 22 anos falecia Greta Garbo.
Quando comecei a conhecer os artistas do passado, por volta de 1987/1988, eu fiquei contente por ainda ter "alcançado" atrizes do naipe de Bette Davis, Lilian Gish, Greta Garbo.... só para citar algumas internacionais. Lembro bem do dia em que a imprensa anunciou seu falecimento. Ela era uma lenda viva e todos os noticiários dedicaram matérias especiais sobre sua vida e carreira, inclusive jornais. 
Nessa época, eu saia do colégio e ia para o consultório do meu pai, onde iriamos embora. Lembro que, enquanto esperava a carona, ficava lendo os jornais e frustrado por aquela senhora, a grande atriz, havia partido.
Em algumas fitas vhs há alguns jornais que eu gravei, naquela noite. Quando encontrar, mostro a vocês.




Foto:
All art.org: http://is.gd/B9VFJ2

sábado, 14 de abril de 2012

EDUARDO SOUTO, 130 ANOS



Há 130 anos, no dia 14 de abril de 1882, nascia o compositor, pianista e maestro Eduardo Souto.

Eduardo Souto nasceu em São Vicente (SP) e com 11 anos foi morar no Rio de Janeiro, iniciando seus estudos musicais com o professor Darbilly. Sua primeira composição foi feita quando ele tinha 14 anos, a valsa Amorosa.

Sua grande obra seria composta em 1919, O Despertar da Montanha, um tango de salão, bem ao estilo dos compostos e tocados nos saraus da Belle Époque brasileira.

Ele fundou, em 1920, a Casa Carlos Gomes, que ficava na Rua Gonçalves Dias, onde conseguiu lançar em definitivo seu nome no meio artístico e conseguia reunir compositores e artistas para trocarem idéias e conhecerem as novidades musicais.

Criou o Grupo Eduardo Souto, tendo gravado várias músicas de sua autoria.
Fez muito sucesso com músicas para o carnaval, entre elas, Tatu subiu no pau, sucesso no carnaval de 1923, sendo também o nome de peça de teatro.

Na década de 1920, enquanto ficava cada vez mais conhecido e respeitado, suas músicas eram gravadas pelos grandes interpretes. Só na fase mecânica, que iria até 1926, ele teve sua obra gravada pelo pioneiro Bahiano, Vicente Celestino, pelo conceituado Grupo do Moringa, pela Orquestra Passos, pela Banda do Corpo de Bombeiros, Orquestra da Casa Odeon, Zaíra de Oliveira, Fernando, Arthur Castro, Frederico Rocha, fora Brandão, Amaral e Januário, importantes intérpretes de uma época rica em um país que os iria esquecer.

Com o advento da gravação elétrica, novos talentos como Francisco Alves, Aracy Côrtes, Gastão Formenti, Zaíra Cavalcanti, Alda Verona e Jayme Vogeler se encarregariam de divulgar suas composições.

Ele idealizou o Coral Brasileiro, que trazia as excelentes sopranos Zaíra de Oliveira e Bidu Sayão, como também, Nascimento Silva.

Seu filho, Nelson Souto, viria a ser pianista e seu neto, Eduardo Souto Neto, compositor, pianista e arranjador.

Eduardo Souto faleceu no Rio de Janeiro, em 18 de agosto de 1942.


Confiram algumas músicas de sua autoria, gravadas ainda na fase mecânica:


Caboclo Magoado 
Cateretê paulista gravado pelo Bahiano
Disco Odeon Record 121.999, gravado em 1921.




No Rancho
Cateretê gravado pelo Grupo do Moringa
Disco Odeon Record 121.992, gravado em 1921.




Ideal de Caboclo
Canção sertaneja gravada por Vicente Celestino
Disco Odeon Record 122.040, gravado em 1922.




O Carnaval
Fox-trot gravado pelo Grupo Eduardo Souto
Disco Odeon Record 122.121, gravado em 1922.




Eu só quero é beliscar
Cateretê gravado pelo Bahiano
Disco Odeon Record 122.127, gravado em 1922.




Tatu subiu no pau
Marcha carnavalesca gravada pela Orquestra Eduardo Souto
Disco Odeon Record 122.325, lançado em 1923.




Só teu amor
Marcha carnavalesca gravada pela Orquestra Eduardo Souto
Disco Odeon Record 122.326, lançado em 1923.




Tatu subiu no pau 
Marcha carnavalesca gravada pelo Bahiano
Disco Odeon Record 122.333, lançado em 1923.




Só teu amor
Marcha carnavalesca gravada pelo Bahiano
Disco Odeon Record  122.334, lançado em 1923.




O bicho falou
Samba carnavalesco gravado por Arthur Castro
Acompanhamento da Orquestra Pan American do Cassino Copacabana
Disco Odeon Record 123.158, gravado em 1926 e lançado em novembro desse mesmo ano.




Eu só quero é conhecer
Cateretê carnavalesco gravado por Zaíra de Oliveira e Bahiano
Disco Odeon Record 122.799, lançado em 1925.




O Violeiro
Cantiga gravada pelo Fernando
Acompanhamento do jazz Band Sul Americano de Romeu Silva
Disco Odeon Record 123.011, gravado em 1926 e lançado em novembro desse mesmo ano










Fontes:
Arquivo Nirez
Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira






TITANIC, 100 anos do naufrágio


Há 100 anos, o TITANIC colidia com um iceberg, em 14 de abril de 1912, poucos minutos para a meia noite. Nas primeiras horas do dia 15, ele afundaria levando cerca de 1500 vidas, histórias e sonhos.
Voltaremos a falar sobre ele.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

A FORTALEZA QUE EU CONHECI

Hoje, a cidade de Fortaleza completa 286 anos.
Foi um dia comum, sem feriado.
Eu nasci e me criei aqui.
Passei minha infância convivendo com três bairros: Centro, Bairro de Fátima e Varjota.
No Centro, moravam meus avós paternos. Em uma casa ainda do século XIX, na Avenida Tristão Gonçalves, passei momentos mágicos e inesquecíveis. Entre o orgulho e a tristeza, posso dizer que fui a última geração a aproveitar o antigo casarão (então, já dividido em três casas), com seu quintal imenso, repleto de árvores, sua vizinhança conhecida, acolhedora, tradicional.
No Bairro de Fátima, na Rua Monteiro Lobato, moravam meus avós maternos, meus bisavôs e minha tia avó. Era o reduto onde se encontravam os primos, as brincadeiras, as conversas com meu bisavô, as brincadeiras com meu avô e primos, os aniversários (inesquecíveis) ao som dos últimos sucessos do Balão Mágico. Os cuidados da minha avó, que também foi mãe de todos os netos, devido ao seu zelo e cuidado.
Na Varjota, onde passei a morar, desde 1976, e continuo, é onde guardo boas lembranças. Quando chegamos aqui, ainda passava boiada na frente de casa, eu fugia e era pego sempre ao chegar na esquina (sei lá pra onde eu queria ir...), mas, mesmo com 3 anos, subia no portão para ver os bois passar ao lado de casa. Com os amigos da vizinhança, podíamos brincar na rua sem preocupação. O calçamento era ainda de pedra, passava pouco carro e ladrões, só os "meninotes" que roubavam galinhas e alguns dormentes de madeiras, que havia sido de antigos trilhos. Brincadeira na rua era até as 20:00 ou 20:30, no máximo. Os muros eram incrivelmente baixos, da altura de uma pessoa adulta, e não tinham pregos ou outro tipo de proteção. O portão era de madeira, aberto manualmente, e ninguém cobiçava o carro na garagem.

Esse foi apenas um fragmento de uma Fortaleza que eu conheci e que não existe mais. As lembranças ainda são tão vivas em minha memória que chego a pensar que estou em outra cidade, às vezes. Ainda voltarei com esses relatos pessoais. Creio que o melhor presente para nossa cidade seria que ela e sua verdadeira essência não fossem esquecidas. Quem vive e ama esta cidade, entende o que eu quero dizer.
Abraços a todos!!

terça-feira, 10 de abril de 2012

TITANIC, 100 anos da partida.



Há 100 anos o TITANIC iniciava sua viagem inaugural. Partindo de Southampton (Inglaterra) com destino à cidade de Nova York (EUA). Era quarta-feira, 10 de abril de 1912. O Capitão do navio era J. Smith.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

CASA RAUNIER, 1926


Surpreendente Liquidação
(Definitiva)
Nas seções de fazenda, armarinho e roupas brancas, 
para senhoras, crianças, cama, mesa, etc.
-- Abatimentos Excepcionais --
CASA RAUNIER --- Rua Urugayana, 55

Revista Vida Doméstica, Rio de Janeiro, julho de 1926.




Fonte:
Arquivo Nirez

segunda-feira, 2 de abril de 2012

CHIMÈNE Perfumaria, 1935



Os productos da perfumaria chimène distinguem-se pela "touche" parisiense das suas
embalagens, a nota "raffinée"dos seus perfumes e pelo "mundo" elegante que os usa.
Não seja vulgar usando qualquer perfume.
Defina imediatamente o seu "mundo", isando productos que levem a marca chimène



chimène
perfumista
Rond-Point des Champs Elysées, 12 - Paris
Av. Agua branca, 166 - São Paulo






                                                                      agua de colonia
                        narcisse vert
                                                                       pó de arroz
                        narcisse vert
                                                                       brilhantina
                        narcisse vert
                                                                       extracto
                        narcisse vert
                                                                       sabonete
                        narcisse vert
                                                                       sal de banho
                         narcisse vert
                                                                       talco
                         narcisse vert











Fonte:
Arquivo Nirez
Revista Carioca, 1935

domingo, 1 de abril de 2012

MOREIRA DA SILVA, 110 ANOS!


Da revista Carioca, de 1937 (grafia e pontuações originais):

PARA O ALBUM DO RADIO-FAN - MOREIRA DA SILVA
Antonio Moreira da Silva nasceu no dia 1º de abril de 1912 (sic), no Rio. Registraram-no, porém, como se tivesse nascido no dia 15 de julho...
Aos quatro annos de edade, já cantava, sapateava e dansava. Em 1933 estreou-se na Radio Mayrink Veiga, interpretando "Tenha calma Gêgê". Dahi por deante lançou varios successos, como "Arrasta a sandalia ...", "Implorar", etc. 
Cantou em todas as emissoras cariocas, com excepção da Tupy e da Jornal do Brasil. Cantou ainda na Record de São Paulo. Diffusora de Porto Alegre e Radio Sociedade Pelotense.
Actualmente canta no programma "Sambas e outras coisas".
"Vejo lagrimas" é a sua musica predilecta. Tem 1m.67 de altura, pesa 56 kilos. Olhos e cabellos pretos.


Há 110 anos, no dia 01 de abril de 1902, nascia o cantor e compositor Moreira da Silva, 
um dos grandes nomes de nossa música popular.
Ele faleceu em 2000, com 98 anos, e ainda fazia shows.
A revista errou na data de seu nascimento que, na verdade, foi em 1902.




Vejo Lágrimas
Samba de Osvaldo Vasques "Baiaco" e Aurélio Gomes
Acompanhamento do grupo Gente do Morro, comandado por Benedito Lacerda
Disco Columbia 22.165-B, matriz 381.362-4
Gravado em 1932 e lançado em dezembro desse mesmo ano



Arrasta a Sandália
Samba de Osvaldo Vasques "Baiaco" e Aurélio Gomes
Acompanhamento do grupo Gente do Morro, comandado por Benedito Lacerda
Disco Columbia 22.165-B, matriz 381.363-6
Gravado em 1932 e lançado em dezembro desse mesmo ano



Pra lá de Boa
Samba de Assis Valente
Acompanhamento do grupo Gente do Morro, comandado por Benedito Lacerda
Disco Victor 33.612-A, matriz 65624-2
Disco gravado em 13 de dezembro de 1932 e lançado em janeiro de 1933



No Morro de São Carlos - Destronado
Samba de Hervé Cordovil e Orestes Barbosa
Acompanhamento do Grupo do Canhoto
Disco Victor 33.711-A, matriz 65780-1
Gravado em 20 de junho de 1933 e lançado em outubro desse mesmo ano




Implorar
Samba de Kid Pepe, J. da Silva Gaspar e Germano Augusto
Acompanhamento de Pixinguinha e sua Orquestra
Disco Columbia 8.114-B, matriz 1057-1
Gravado em 24 de outubro de 1934 e lançado em janeiro de 1935










Agradecimento ao Arquivo Nirez






Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...