terça-feira, 19 de março de 2013

ALCEBÍADES BARCELOS (BIDE)

Alcebíades Barcelos (Bide).


Há 38 anos falecia o compositor ALCEBÍADES BARCELOS, também conhecido como BIDE (ou Bidi, na grafia dos anos 30).

Alcebíades Maia Barcelos nasceu em Niterói (RJ), em 25 de julho de 1902.
Sua família transferiu-se para o Rio de Janeiro em 1908, indo morar no bairro Estácio de Sá.
Em sua juventude, empregou-se como sapateiro em uma fábrica.

Foi no Estácio que, ao lado do irmão Rubem Barcelos, começou a frequentas as rodas de samba na década de 20. Lá, convivia com sambistas como Ismael Silva, Brancura e Baiaco. Seriam eles quem modificariam a forma de se compor samba, até então com muita influência do maxixe.

Desde 1926, Alcebíades era amigo de Ismael Silva e, nessa época, conheceu o flautista Benedito Lacerda, com quem começou a tocar sambas, ao cavaquinho.

Em 1927 compôs o samba A Malandragem. No ano seguinte, o samba seria gravado pelo cantor Francisco Alves que, tendo adquirido a composição, teve seu nome ao lado de Bide na autoria.

Ainda em 1928 foi um dos fundadores da primeira escola de samba, Deixa Falar, ao lado de sambistas como Ismael Silva, Heitor dos Prazeres, Nilton bastos, entre outros. Foi ele quem introduziu o surdo e o tamborim no acompanhamento dos sambas cantados por sua escola, sendo o pioneiro na instrumentação das baterias de escolas de samba. Chegou a construir instrumentos de percussão usando latas de manteiga.
Decidiu abandonar o emprego de sapateiro e investir na carreira de compositor.

A decisão foi muito feliz e ele passou a ser um dos melhores compositores de sua época.
Ao lado de Armando Marçal, compôs o samba Agora é Cinza, em 1933, que seria gravado por Mário Reis. Foi um grande sucesso no carnaval de 1934, vencendo o concurso de músicas carnavalescas da prefeitura do Distrito Federal. Seria regravada mais de cem vezes.

Sua parceria com Marçal (Bide e Marçal) se foi uma das mais bem sucedidas da história do samba. Geralmente, ele ficava com a melodia e Marçal com a letra.

Alcebíades Barcelos faleceu no Rio de Janeiro em 18 de março de 1975.


Bide e Marçal.




A Malandragem
Samba em parceria com Francisco Alves
Gravado por Francisco Alves
Disco Odeon 10.113-B, matriz 1481-I
Acompanhamento da Orquestra Pan American do Cassino Copacabana
Lançado em fevereiro de 1928




Deixo Saudades 
Samba gravado por Yolanda Osório
Acompanhamento do Grupo Gente do Morro, dirigido por Benedito Lacerda
Disco Brunswick 10.111-B, matriz 510
Lançado em dezembro de 1930




Fui Louco
Samba em parceria com Noel Rosa
Gravado por Mário Reis
Disco Victor 33.645-A, matriz 65628-1
Acompanhamento do Grupo da Guarda Velha
Gravado em 15 de dezembro de 1932 e lançado em abril de 1933




Agora é Cinza
Samba em parceria com Armando Marçal
Recebeu duas gravações feitas por Mário Reis, em 1933 e 1934.
Ambas tiveram o acompanhamento do grupo Diabos do Céu, sob a direção de Pixinguinha.
Ambas saíram em Disco Victor 33.728-A, com matrizes diferentes

Gravação de 25 de outubro de 1933, disco lançado em dezembro desse mesmo ano.
Matriz 65871-1



Gravação de 28 de março de 1934, disco lançado em abril de 1934
Matriz 65871-R1




Entre Outras Coisas
Marcha em parceria com Valfrido Silva
Gravada por Carmen Miranda
Acompanhamento do Grupo do Canhoto
Disco Victor 33.895-A, matriz 79811-1
Gravado em 11 de janeiro de 1935 e lançado em fevereiro desse mesmo ano




Você Não Jurou
Samba em parceria com Armando Marçal
Gravado por Carlos Galhardo
Acompanhamento da Orquestra Odeon sob a direção de Simon Bountman
Disco Odeon 11.432-B, matriz 5452
Gravado em 17 de novembro de 1936 e lançado em janeiro de 1937




E Foi Assim
Samba em parceria com Leonel Azevedo
Gravado por Aurora Miranda
Acompanhamento de Benedito Lacerda e seu Conjunto Regional
Disco Odeon 11.485-B, matriz 5568
Gravado em 01 de maio de 1937 e lançado em julho desse mesmo ano






Agradecimento ao Arquivo Nirez









Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...