segunda-feira, 15 de julho de 2013

BAHIANO, 69 anos de Saudade




Há 69 anos, em um sábado 15 de julho de 1944, falecia no Rio de Janeiro o mais popular cantor do começo do século XX, Manuel Pedro dos Santos, mais conhecido como BAHIANO.

Bahiano foi o primeiro cantor a gravar discos no Brasil e na América Latina, em 1902.
O célebre lundu Isto é Bom, do ator e compositor Xisto Bahia, foi gravado juntamente com dezenas de outras músicas na primeira sessão de gravação para discos em nosso País. Isto é Bom foi a primeira música a ser lançada, em disco Zon-O-Phone 10001.

De 1902 até meados da década de 1920, Bahiano gravou centenas de músicas dos mais variados estilos, fazendo antológicos duetos com vários (e também lendários) artistas de sua época. 

Cançonetista do tempo dos chopes berrantes, cafés concertos, Bahiano logo ficou popular no Rio de Janeiro e em São Paulo. Sua fama o levou às gravações em cilindros e nos discos (chapas), tornando sua popularidade maior ainda.

Versátil, ele estava sempre muito à vontade em suas gravações; assumindo personagens, brincava e implicava com Senhorita Consuelo e Júlia Martins, levando delas divertidas respostas. 
Braga, Escudeiro, O. de Azevedo, Cadete, Eduardo das Neves, Mário Pinheiro, entre outros, fizeram desafios ou duetos com ele. Assim, como Risoleta, Maria Roldan, Maria Marzulo, Isaltina e, até arrisco, Medina de Sousa, também gravaram em sua companhia. Aliás, Medina o levou a soltar sua voz em uma interpretação lírica.
Isso sem falar com os novos talentos de uma nova era, pós Belle Époque, como Vicente Celestino e Januário.

Além do pioneirismo, ele gravou muitos sucessos em discos, dos quais vários se tornaram clássicos de nosso cancioneiro: Perdão Emília, A Mulata, O Angú do Barão, O Sino da Tarde, Ai Philomena, Pelo Telephone... a lista, só dos clássicos, é imensa.

Digo mais. Bahiano, assim como mais tarde Aracy Côrtes, participou da transição de épocas marcantes. Ele, até mais que Aracy. 
Começando a gravar em 1901 (cilindros) e depois em 1902 (discos), juntamente com o início da indústria fonográfica brasileira, ele trazia toda a bagagem cultural e modismos do século XIX. Até então, a única forma de se divulgar a música eram as partituras, teatro musical e bandas de músicas. As composições ficavam um pouco presas em cada cidade, principalmente no Rio de Janeiro, onde eram propagadas entre os moradores. Como vantagem, haviam as partituras para piano e canto, que rodavam o país (e mundo); também, as heroicas excursões feitas pelas trupes teatrais e, não menos importantes, os cantadores, boêmios, e os amantes da música popular, que saiam espalhando as melodias e letras por onde conseguissem chegar. O povo era também um grande divulgador.

Com a chegada da gravação em disco, isso mudou. Ficou mais fácil levar as chapas para as várias regiões do Brasil, onde seriam ouvidas por muitas pessoas, entre um misto de espanto e prazer.

Havia um detalhe: os inúmeros sucessos dos tempos do Brasil Colônia, do Império e início da República, não poderiam cair no esquecimento. Muitos estavam fresquinhos na memória da população graças ao teatro de revista e suas atrizes, e aos cançonetistas que entretinham o público dos cafés concertos. Dessa forma, Bahiano e seus colegas gravaram muitos sucessos de peças teatrais, modinhas e poesias de grandes e saudosos talentos; bem como precisavam ir registrando os sucessos da atualidade e seus modismos.

Dessa forma, ele viveu vários personagens em suas gravações. Saindo do Império, com suas modinhas em cançonetas, ingressou na República, com os lundus que faziam as delícias das plateias teatrais, afinal, ninguém esquecera da Sabina e o fazendeiro Euzébio; ingressou na Belle Époque, cantando o Art Nouveau e sua interessante moda, como também registrou acontecimentos marcantes de sua atualidade, afinal, "A Europa curvou-se ante o Brasil" e entre o clamor de parabéns em meio tom, "apareceu Santos Dumont". Engraxou, foi abanador apaixonado por uma Vassourinha e, até, Feiticeiro, onde partiu com sua Cigana para encontrar a buena dicha nas linhas do coração. Veio a Primeira Grande Guerra e ele cantou para os soldados que partiam. Nesse meio tempo, gravou modinhas lindíssimas e, ele mesmo, também registrou suas impiedosas paródias. Com o sucesso teatral de sua amiga Julinha Martins, colocou a Philomena na história de tal forma que, no futuro (muito futuro) iam incluir um coelhinho no meio, em uma paródia muito sem-vergonha (para usar um termo de outrora). Ai, Philomena, seu eu fosse como tu... 

E assim ele foi gravando, sempre animado e inspirado. Se haviam acabado as cançonetas, surgia o samba. Por onde? Pelo Telephone mesmo! Afinal, tudo podia ser motivo para um samba ou uma marcha, até um Pé de Anjo
Sempre reencontrando os colegas, gravou com o coro do Theatro São José, onde sua velha amiga Julinha Martins se sobressai no coro. Aliás, esses dois gravaram nada menos que a Cabocla de Caxangá. Nas palavras de hoje, Júlia Martins e Bahiano tinham uma química incrível nas gravações.

Mas, os anos 20 já vinha com seus jovens e novos astros. Mesmo assim, o sr. Manuel Pedro ainda emplacou sucessos, antes de se afastar. Nesse fase final de sua carreira, nada menos que Luar de Paquetá; Ai, Seu Mé; Sai da Raia; De Bam Bam Bam; Vida Apertada...

Mas, ele se afastou. Nosso querido País, ao mesmo tempo em que acolhia os novos talentos da década de 30, esquecia-se de seus antigos intérpretes. Os meios de comunicação, a mídia e as informações aumentavam e se propagavam de forma assustadoramente rápida, mas isso em nada ajudava a lembrar dos pioneiros. E olha que haviam se passado apenas três décadas.

Nesse esquecimento ele faleceu. Nascido na Bahia (05 de dezembro de 1870), na cidade de Santo Amaro da Purificação, Manuel Pedro dos Santos, faleceu meses antes de completar 74 anos.

Para os pesquisadores, amantes da boa e pioneira MPB, ele será sempre lembrado. Nunca sairá de moda. 
Em nossos assuntos musicais ele nunca precisará de permissão para fazer parte, basta repetirmos euforicamente a exclamação de Júlia Martins em uma de suas gravações: "Entra, Bahiano!".


Por Marcelo Bonavides de Castro
Fortaleza, 15 de julho de 2013




Diário de Notícias.
Sábado, 16 de julho de 1944.
http://memoria.bn.br




Entre as músicas que selecionei, escolhi trazer um Bahiano romântico.
Confiram!


Quem Eu Sou
Modinha
Disco Odeon Record 120.917
Lançado em fevereiro de 1914




Último Beijo (Suplication)
Valsa de W. J. Peans e Gutemberg Cruz
Acompanhamento de Violão
Disco Odeon Record 120.984
Lançado em 1914




Márcia
Valsa de A. Nelson
Disco Odeon Record 120.992
Lançado em 1916




Juramento Esquecido
Modinha
Acompanhamento de cavaquinho e violão
Disco Odeon Record 121.015, matriz B-5
Lançado em 1915




Não Sei
Modinha
Acompanhamento de violão e cavaquinho
Disco Odeon Record 121.019
Lançado em 1915







Agradecimento ao Arquivo Nirez





2 comentários:

  1. Muito bom artigo. Pena que não mais se divulgam os pioneiros da MPB. Como a espanhola srta Consuelo a primeira a gravar disco.e que teve um final trágico. Um sbraco

    ResponderExcluir
  2. Excelente trabalho de preservação da memória musical.As cançonetas ,os duetos que eram inteligentes e engraçados.Acabou a inteligencia , prevalece amediocridade

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...