quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

HOMERO DORNELAS - 116 ANOS

HOMERO DORNELAS
cifrantiga3.blogspot.com.br



Há 116 anos nascia o compositor, pianista, violoncelista e professor HOMERO DORNELAS.

Homero Dornelas nasceu no Rio de Janeiro em 14 de dezembro de 1901, falecendo nessa mesma cidade em 28 de dezembro de 1990. Era filho do maestro Sofonias Dornelas e, dos sete aos quatorze anos, estudou piano e teoria musical com o pai e uma tia. Aos quinze anos de idade, ingressou no Instituto Nacional de Música, estudando teoria, solfejo e física acústica com Frederico Nascimento. No início da década de 1920, resolveu deixar o estudo de piano para se dedicar ao violoncelo, sendo orientado por Eurico Costa. Foi ainda professor de canto orfeônico e teoria musical do Colégio Pedro II até 1972. Entre seus pseudônimos estavam, Candoca da Anunciação, Romeoh Sallendor, Sallendor Filho e My Self.

Na década de 1920 tocava nas ate-salas de cinemas, acompanhando filmes mudos, em teatros, restaurantes e circos. Começou a compor sambas em 1926, compondo também marchinhas e foxes. Também trabalhou como revisor e arranjador da Casa Vieira Machado, editora de partituras de músicas carnavalescas. Por essa época, adotou o pseudônimo de Candoca da Anunciação, com o qual se consagrou pelo lançamento do samba Na Pavuna, de 1930, ao lado de Almirante, que o gravou. A gravação do samba trazia o ineditismo de um grupo de ritmistas fazendo uma batucada.

Outra história curiosa o liga ao samba de Noel Rosa, Com Que Roupa?. No fim de 1929, Noel o procurou para escrever a partitura do samba. Homero notou que, ao tocar as notas iniciais, os compassos eram o mesmo do Hino Nacional, sugerindo a mudança de algumas notas, no que foi atendido. Dessa forma, ele foi o responsável pela forma final do famoso samba de Noel Rosa.

Teve algumas de suas composições gravadas por Jesy Barbosa, Jorge Fernandes, Jayme Vogeler , Sylvio Salema e Augusto Calheiros. Em meados da década de 1930, convidado por Villa-Lobos, integrou o SEMA (Superintendência de Ensino Musical e Artístico), ficando até 1959.


Através de concurso, entrou para a Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, onde pediu licença em 1941, para ingressar na Sinfônica Brasileira, convidado por Eugen Szenkar. Nesse ano ainda foi contratado pela Rádio Nacional, onde trabalhou até meados da década de 1960. Publicou o catálogo Orquestras de desfile, que dá a relação de todos os músicos que integraram diversos conjuntos atuantes no Rio de Janeiro de 1894 a 1974. Na década de 1960, gravou um histórico depoimento para o Museu da Imagem e do Som (MIS).

Trazemos algumas composições de sua autoria.



NA PAVUNA
Choro de Rua no Carnaval
Em parceria com Almirante
Gravado por Almirante
Acompanhamento do Bando de Tangarás
Disco Parlophon 13.089-A, matriz 3179



MINHA DEVOÇÃO
Samba
Gravado por Elpídio L. Dias (Bilu)
Acompanhamento da Orquestra Brunswick
Disco Brunswick 10.035-A, matriz 254
Lançado em março de 1930



TOCA A BUZINA
Marcha
Gravada por Augusto Calheiros
Acompanhamento de Simão Nacional Orquestra
Disco Parlophon 13.130-A, matriz 3385
Gravado em 1930 e lançado em abril



VIOLA
Canção
Gravada por Jorge Fernandes
Acompanhamento do Grupo dos Marajoaras
Disco Odeon 10.701-A, matriz 3902
Lançado em novembro de 1930



BATUQUE NO SALGUEIRO
Batuque
Gravado por Jorge Fernandes
Acompanhamento do Grupo dos Marajoaras
Disco Odeon 10.701-B, matriz 3903
Lançado em novembro de 1930



HINO AO CARDEAL D. LEME
Hino
Em parceria com Lieda Cristina
Gravado por Sílvio Salema
Acompanhamento de Conjunto Sacro
Disco Parlophon 13.305-B, matriz 131136
Lançado em 1931



MADUREIRA
Samba da Central
Gravado por Almirante e o Bando de Tangarás
Acompanhamento da Orquestra Guanabara
Disco Parlophon 13.274-A, matriz T-57 131056
Lançado em janeiro de 1931



POR CONTA DO AMOR
Marcha
Gravada por Jayme Vogeler e Jota Soares
Acompanhamento da Orquestra Copacabana
Disco Odeon 10.877-A, matriz 4372
Gravado em 26 de novembro de 1931 e lançado em 1932



ILUSÃO DE AMOR
Tango Canção
Em parceria com Bastos Carvalho
Gravado por Jesy Barbosa
Acompanhamento da Orquestra Victor Brasileira, sob a direção de João Martins
Disco Victor 33.707-A, matriz 65453-2
Gravado em 13 de abril de 1932 e lançado em outubro de 1933







Agradecimento ao Arquivo Nirez





Fontes:
dicionariompb.com.br
cifrantiga3.blogspot.com.br













Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...