sábado, 20 de janeiro de 2018

A CÔRTE NA ROÇA - OPERETA DE 1885



Hoje, dou início a um projeto que há tempos tenho vontade de apresentar no Blog, a trilha sonora de algumas peças de Teatro Musicado. É de meu interesse trazer, principalmente, as gravações originais (a partir de 1902) de músicas que fizeram parte de peças do teatro de revista, burletas, operetas, mágicas encenadas no Brasil. Infelizmente, não possuímos todas as músicas que compunham tais peças, mas podemos apresentar algumas gravações e dados sobre o espetáculo que darão uma ideia como eram essas atrações.



CHIQUINHA GONZAGA por volta de 1877.
Retirada do site Catraca Livre.
Acervo Edinha Diniz.


Para a primeira postagem sobre o tema, trago a opereta em um ato, A CÔRTE NA ROÇA, de Palhares Ribeiro, com música de Chiquinha Gonzaga, representada em 1885 no Rio de Janeiro. Para esta pesquisa foram consultados quatorze jornais através da Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional.

A Côrte na Roça (mantivemos a grafia original) marca a estreia de uma mulher, Chiquinha Gonzaga, compondo músicas para teatro no Brasil, até então espaço exclusivamente masculino. Esse passo foi uma das muitas atitudes pioneiras de nossa primeira maestrina. Anos antes, em 1883, Chiquinha Gonzaga chegou a musicar uma peça de Arthur Azevedo, Viagem ao Parnaso, porém, o empresário da companhia vetou sua participação somente por ser mulher. Ao encontrar o iniciante Palhares Ribeiro, que escrevia poemas e romances nos jornais, a compositora pode então começar a atuar no teatro.

Ao pesquisar nos jornais da época sobre a estreia da opereta, notamos que a mesma foi adiada algumas vezes. Ao estrear, ainda teve o anúncio da segunda representação repetido em duas datas, causando confusão sobre o verdadeiro dia em que estreou. Fora isso, os artistas da companhia que encenavam a peça foram abandonados pelo empresário, Sousa Bastos, que havia voltado para sua terra, Portugal, deixando todos por conta própria, há meses sem receber salários. Segundo Edinha Diniz, biógrafa de Chiquinha Gonzaga, não havia ninguém para dirigi-los. O elenco era o da Companhia Sousa Bastos, que atuava no Theatro Príncipe Imperial (posterior Theatro São José, e depois cineteatro, situado na Praça Tiradentes, no Rio de Janeiro). Diniz ainda nos informa: “Muitos a dar ordens, ninguém para cumpri-las. [...] No meio disso tudo, uma mulher tentava ensaiar sua partitura e impor-se, apesar de iniciante. Os atores lhe respondiam que na hora do espetáculo tudo sairia bem”. Um dos atores ainda quis retirar uma valsa simplesmente por não saber o que fazer enquanto cantava... O regente, quando não estava dormindo sobre as partituras, ensaiava-as com o andamento que lhe convinha. Era preciso que Chiquinha Gonzaga ficasse atenta e lhe informasse: “Mas fui eu quem escreveu esta música, não o senhor; respeite o meu pensamento!”.

A peça estreou em uma sexta-feira, 16 de janeiro de 1885, no Theatro Príncipe Imperial. Porém, antes, passou pela censura do Conservatório Dramático, que a aprovou; porém, a polícia alterou alguns versos, segundo o jornal Brazil: “Já não há nenhum escravo/ Na fazenda do sinhô/Tudo é boliçonista/ Até mesmo o imperadô” (grifo do autor). A polícia substituiu imperadô por seu dotô. A ação se passava na fazenda de Cebolas, em Queimados, no interior do Rio de Janeiro. Mesmo estreando com pouco público, como nos informa Diniz, foi aplaudida com entusiasmo. O maxixe final foi um sucesso e pediram bis, mas os atores não puderam atender, pois a autoridade presente mandou que abaixassem logo o pano, impedido a repetição do número. Em alguns jornais, há a citação de que o quadro foi bisado. A imprensa criticou o autor da peça e o desempenho dos autores, mas aclamou a música de Chiquinha Gonzaga, que foi também homenageada pelo público, com muitos aplausos, chamando-a ao palco. O elenco contava com a atriz Oudin, que encantou a todos durante o espetáculo, em especial ao cantar a valsa tema da peça (que depois faria parte do repertório da atriz Plácida dos Santos), e ainda com Anna Manarezzi e os atores Machado e Mauro de Bellido. Havia ainda um intermédio onde era interpretada por Mauro de Bellido a cançoneta de autoria de Chiquinha Gonzaga, Para a Cera do Santíssimo. A princípio, ocorreram três representações, nos dias 16, 17 e 18 de janeiro de 1885. Uma quarta representação aconteceu em uma sexta-feira, 23 de janeiro de 1885, entre algumas atrações do Theatro Recreio Dramatico para essa noite.

Entre as músicas que conseguimos reunir, e que constam no fim da postagem (com as letras) estão: a valsa (balada) A Côrte na Roça, que seria lançado em disco em 1903, gravado por Senhorita Odete; o tango Menina Faceira, lançado em 1906 por Geraldo Magalhães e em 1910, por Mário Pinheiro, e o tango (maxixe) Sacy Peréré, que foi gravado pela dupla Os Geraldos e lançado em disco em 1906. Também incluímos algumas gravações recentes feitas pelos pianistas e pesquisadores Wandrei Braga e Alexandre Dias.

A estreia da peça foi retratada na minissérie Chiquinha Gonzaga, da Rege Globo, em 1999, escrita por Lauro César Muniz e estrelada por Gabriela e Regina Duarte, interpretando Chiquinha Gonzaga e fases distintas.



Os Personagens 

A Côrte na Roça se passava na fazenda de Cebolas, em Queimados (RJ), e contava com os seguintes personagens e seus respectivos intérpretes:

Zé Tavares (fazendeiro) Coronel da G. N. (Guarda Nacional) - Sr. Mauro de Bellido
Chico Bento, Amigo do coronel - Sr. Machado
Juca Barbosa (estudante, sobrinho do Tavares) - Sr. Moulin
Joaquim Lopes (professor) - Sr. Pinto
Padre Velludo - Sr. M. Braga
Dr. Camelião - Sr. Araujo
Um roceiro - Sr. Vicente
Um moleque - Sr. Rocha
Mlle. Celina Bernard, artista francesa - Mlle. Oudin
Cocota, filha do Coronel - Deolinda
D. Ambrozia (mulher do professor) - Manarezzi
Uma roceira - Amelia

Conta ainda com roceiros e roceiras.
A peça terminava com um esplêndido cateretê (maxixe).



O Programma Avisador, 23 de janeiro de 1885, p.1.
http://memoria.bn.br



Na Imprensa

Ainda em 1884 a opereta era anunciada na imprensa.


BRAZIL
27 de agosto de 1884, p.3.





 GAZETA DA TARDE
16 de dezembro de 1884, p.3.




GAZETA DE NOTICIAS
25 de dezembro de 1884, p. 6.




O periódico O Mequetrefe destacava o ineditismo de uma mulher à frente das composições musicais em um teatro no país.


MEQUETREFE
06 de janeiro de 1885, p.7.





A Côrte na Roça foi anunciada na imprensa para estrear no dia 03 de janeiro, como informava o Jornal do Commercio de 01 de janeiro de 1885: “Sabbado 3, 1ª representação da opereta em 1 acto, do Exm. Sr. Palhares Ribeiro, musica da Exms. Sra. D. Francisca Gonzaga – A CORTE NA ROÇA”. Já no próprio dia 03, o mesmo jornal adiava a estreia para “a proxima semana”. O jornal O Brazil chegou a anunciar no dia 03 a estreia da peça para esse mesmo dia. O jornal A Folha Nova, de 06 de janeiro de 1885, anunciava a peça para o sábado, dia 10 de janeiro de 1885. O jornal Distracção, de 08 de janeiro de 1885, também anunciava a estreia para o dia o sábado, dia 10: "O Principe annuncia para sabbado, 10, a primeira de uma opereta em 1 acto, original de um Sr. Palhares Ribeiro, musica de D. Chiquinha Gonzaga. Lá iremos" (grifo do autor). Novamente O Brazil, em 11 de janeiro de 1885, informava: “A primeira d´A Côrte na roça, que devia realizar-se hontem no Principe Imperial, ficou transferida para quando a empreza deste theatro annunciar”.

Após vários adiamentos, no dia 16 de janeiro de 1885, a peça estreava. Os jornais anunciavam na data:

O Brazil, p.3: “Principe Imperial – Consta-nos que representa-se hoje neste theatro a opereta A côrte na roça”.


Gazeta da Tarde
16 de janeiro de 1885, p.2




Gazeta de Noticias, p.2: “No Principe Imperial, primeira representação da opereta A côrte na roça, e um variado intermédio”.



Como já foi dito, A Côrte na Roça estreou em uma sexta-feira, 16 de janeiro de 1885. Sendo anunciada a data por várias publicações. Porém, ao consultarmos os jornais da época, notamos que alguns repetiram a chamada da segunda representação em dois dias (17 e 18 de janeiro), como foi o caso do jornal A Folha Nova e do Jornal do Commercio. Para ilustrar, trago alguns cartazes e notícias da peça.


Dia 16 de janeiro de 1885

A FOLHA NOVA



BRAZIL



GAZETA DA TARDE


GAZETA DE NOTICIAS





Dia 17 de janeiro de 1885

A FOLHA NOVA


A SEMANA





BRAZIL





GAZETA DA TARDE


GAZETA DE NOTICIAS


JORNAL DO COMMERCIO



Dia 18 de janeiro de 1885

A FOLHA NOVA


GAZETA DE NOTICIAS


JORNAL DO COMMERCIO

Erroneamente apresentado como a segunda apresentação.
Na verdade trata-se da terceira exibição da peça.




Críticas

Após sua estreia, A Côrte na Roça foi duramente criticada enquanto peça, o mesmo acontecendo com seu autor. Porém, a imprensa não poupou elogios à música e ao talento de Chiquinha Gonzaga. Vejamos o que disseram alguns jornais.


GAZETA DA TARDE
17 de janeiro de 1885, p.2


GAZETA DE NOTÍCIAS
18 de janeiro de 1885, p.2


JORNAL DO COMMERCIO
18 de janeiro de 1885, p.1





DIÁRIO PORTUGUÊS
20 de janeiro de 1885, p.2


O MEQUETREFE
20 de janeiro de 1885, p.7



DISTRACÇÃO
22 de janeiro de 1885, p.3


REVISTA ILLUSTRADA
24 de janeiro de 1885, p.7




A ESTAÇÃO
31 de janeiro de 1885, p.10




A SEMANA
24 de janeiro de 1885, p.2



A SEMANA
31 de janeiro de 1885, p. 4








Músicas na Imprensa

Meses após a apresentação da peça, as composições de Chiquinha Gonzaga chegavam ao mercado em partituras para piano e canto, sendo divulgadas pela imprensa.



JORNAL DO COMMERCIO

 25 de janeiro de 1885, p.1



 27 de janeiro de 1885, p.5



 31 de janeiro de 1885, p



13 de março de 1885, p.5



 01 de maio de 1885, p.1



02 de maio de 1885, p.6






GRVAÇÕES E LETRAS


CÔRTE NA ROÇA
Balada com melodia de Chiquinha Gonzaga e versos de Francisco Sodré
Gravada pela Senhorita Odete
Disco Zon-O-Phone X-702
Lançado em 1903
Obs. Originalmente é uma valsa.




SACY PERÉRÉ
Dueto com melodia de Chiquinha Gonzaga, o autor dos versos é desconhecido.
Gravado por Os Geraldos
Disco Odeon Record 108.285, matriz XR-845
Gravado em 1906
Obs. Na partitura vem como tango brasileiro.




MENINA FACEIRA
Modinha com melodia e letra de Chiquinha Gonzaga
Gravada por Geraldo Magalhães
Disco Odeon Record 40.519
Lançado em 1905
Obs. Na partitura vem como tango.




MENINA FACEIRA
Tango com melodia e letra de Chiquinha Gonzaga
Gravado por Mário Pinheiro
Acompanhamento de violão
Disco Victor Record 98.952
Lançado em 1910




PRELÚDIO
Por Alexandre Dias




A CÔRTE NA ROÇA
BALADA
Por Wandrei Braga




A CÔRTE NA ROÇA
Por Antonio Adolfo



Trecho da minissérie Chiquinha Gonzaga
Estreia de A Côrte na Roça







A CÔRTE NA ROÇA

Esse teu leque formoso
De luz e perfume cheio,
É o beija-flor cauteloso
A esvoaçar em teu seio!
Este calor que tu sentes,
Que te escalda o coração,
São os sintomas ardentes De uma impetuosa paixão!

Ah! Ah! São os sintomas ardentes,
Ah! Ah! De uma impetuosa paixão

Este sorriso que implora
Que apurpura os lábios teus,
É uma restea da aurora
De outro azul e de outros céus.
Há no teu colo tremente
O mesmo encanto da flor.
Guarda esse leque explendente,
Meu primeiro e santo amor!

Meu coração não se acalma,
Não cessa de te adorar.
Deixa abrasar a minh’alma
Nas chamas do teu olhar.
Não temas não há perigo,
Por que te assustas, meu anjo?
Leva minh’alma contigo,
Solta as tuas asas arcanjo.



MENINA FACEIRA
Versão de Geraldo Magalhães

Menina faceira
Requebra ligeira
Seu corpo na dança
Seu corpo na dança
Enquanto é tangida
Viola querida
Viola querida
Não cansa

Seu pé tão mimoso
Batendo no chão
Parece que bate no meu coração
Parece que bate no meu coração
Parece que bate no meu coração

Dança mais minha sereia
Dança mais querido amor
Sapateia, sapateia
Sapateia com ardor

A linha mimosa
Da boca formosa
Da boca formosa
Qual fonte de amor
Sorri provocante
A todo instante
A todo instante
Tem meigo frescor

Teu busto airoso
Bailando fremente
Parece que baila na minha mente
Parece que baila na minha mente
Parece que baila na minha mente



MENINA FACEIRA
Versão de Mário Pinheiro

Menina faceira
Requebra ligeira
Seu corpo na dança
Seu corpo na dança
Enquanto é tangida
Viola querida
Viola querida
Não cansa

Seu pé tão mimoso
Batendo no chão
Parece que bate no meu coração
Parece que bate no meu coração
Parece que bate no meu coração
- Aí, mulata velha! Arrocha, minha nêga!

Bata mais minha sereira
Bata mais minha sinhá
Sapateia, sapateia
Tralalá, tralalá
Bata mais minha sereira
Bata mais, oh meu amor
Sapateia, sapateia
Sapateia com ardor.

Querida morena
De mim, tu tens pena
De mim, tu tens pena
De mim, minha flor
Requebra ligeira
Menina faceira
Menina faceira
Oh, meu lindo amor.

Seu pé tão mimoso
Batendo no chão
Parece que bate no meu coração
Parece que bate no meu coração
Parece que bate no meu coração
- Bata, minha nêga! Machuca esse coração que é teu!

Bata mais minha sereira
Bata mais minha sinhá
Sapateia, sapateia
Tralalá, tralalá
Bata mais minha sereira
Bata mais, oh meu amor
Sapateia, sapateia
Sapateia com ardor.

  
SACY PERÉRÉ

Geraldo:
Lá no alto da montanha
Nasce o sol todo encarnado
Minha amizade é tamanha
Que me faz cair no fado

Nina: Entra, compadre Juca!
Geraldo: Aí, comadre Filomeninha! Tá sacudida, hein? Ah!
Nina: Não compadre!

Os dois:
Quebra, quebra gente boa
Quebra, quebra até morrer
Quem não dança é gente à toa
Isto é só para moer.

Geraldo:
Dance primeiro o fado,
A comadre que é segura
Só fica sossegado
Quem tiver a perna dura

Nina:
Oh, seu velho sacudido
Puxa a fieira com jeito
Não se atrapalhe comigo
Encoste a barriga e o peito.

Geraldo:
Sinhá dona Filomena
Não me provoque assim
Nina: Ai!
Geraldo:
Que barriga sobe logo
Chegue-se, chegue-se pra mim.
Nina: Deixa eu ver compadre!

Nina: Ai, compadre!
Geraldo: Ai, comadre! Isto aqui é que faz com a gente, hein?!
Nina: Venha aqui, seu Juca! Mas isso é tão bom, tão gostoso, que faz a gente mexer com os pés. Coisa boa, hein?
Geraldo: Ainda, Filomeninha, ainda!
Nina: Ah!
Geraldo: Pois, olha eu ainda não dou minha perna ao diabo, comadre!
Nina: Ah, e eu seu Juca? Quando eu ouço um cateretê sinto uma coisa aqui interna que vai subindo, subindo e chega mesmo no centro!
Geraldo: Do que, comadre?
Nina: Do coração!
Geraldo: Ah, Ah, então vamos repetir mais um bocadinho do cateretê, comadre?
Nina: Está ouvindo? Então, maestro, faz favor de ? Isso é tão bom, que até levanta um defunto. ? Ah, compadre.
Geraldo: Ah, comadre!

Nina:
Lá me vem o sol nascendo
Redondo como um botão
Quem tem seu amor ingente
Tem sempre consolação.

Geraldo: Ah, a comadre sabe o que que é o amor enjeita o coração, hei, ah, ah?!

Os dois:
Quebra, quebra gente boa
Quebra, quebra até morrer
Quem não dança é gente à toa
Isto é só para moer.


Obs: Ingente = imenso












Agradecimento ao Arquivo Nirez


Fontes: 
Livro - Chiquinha Gonzaga: uma história de vida, de Edinha Diniz.

http://memoria.bn.br

http://chiquinhagonzaga.com/wp/

Canal do YouTube de Alexandre Dias: https://www.youtube.com/channel/UCGWqhLKsjMTmR8wSvOcEuqg

Canal do YouTube de Wandrei Braga: https://www.youtube.com/channel/UCxRZ6r7361bZ5D3Mnn2FI2Q














Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...