segunda-feira, 26 de março de 2018

OLEGÁRIO MARIANO - POESIAS E GRAVAÇÕES (1926 a 1932)

OLEGÁRIO MARIANO
O Malho, 31 de janeiro de 1925.
http://memoria.bn.br


No último dia 24 de março completou-se 129 anos do nascimento do poeta e compositor OLEGÁRIO MARIANO.

Olegário Mariano Carneiro da Cunha nasceu em Recife (PE), em 24 de março de 1889, era membro de uma conhecida família pernambucana, Carneiro da Cunha, e foi um poeta muito popular na primeira metade do século XX.

Com oito anos passou a morar no Rio de Janeiro. Dedicando-se à literatura, publicou seu primeiro livro de versos aos 15 anos, chamado Visões de moço. Foi membro da Academia de Ciências de Lisboa.

Em 1926, passou a ser um dos Imortais da Academia Brasileira de Letras, quando foi eleito. Em 1945, foi Delegado da Academia Brasileira de Letras na Conferência Inter-Americana de Lisboa para o acordo ortográfico. Em 1953, Getúlio Vargas o nomeou embaixador do Brasil em Portugal.

Sua incursão na música popular do Brasil se deu em 1927 quando, no auge da carreira literária e já Imortal da ABL, recebeu a visita do compositor e médico Joubert de Carvalho, que musicou dois poemas de Olegário Mariano, Cai, cai balão e Tutu Marambá, ambos gravados por Gastão Formenti. A parceria iria render vinte uma música, entre clássicos. Muitos de seus poemas virariam bonitas canções e valsas.


Olegário Mariano com o fardão da ABL.
Fon Fon, 1930.
http://memoria.bn.br


Mesmo poeta famoso, ele não se furtava enveredar pelos ritmos populares, como o samba e a marcha. Em 1929, Aracy Côrtes gravaria o samba canção de sua autoria com Júlio Cristóbal, A polícia já foi lá em casa, e o samba, em parceria com Ary Barroso, Tu qué tomá meu home, onde os versos, propositadamente, contém erros de português, refletindo o modo popular de falar. Em 1931, Carmen Miranda gravaria Absolutamente, marcha em parceria com Joubert de Carvalho. Em 1933, ela gravaria o fox canção da dupla, Bom Dia, Meu Amor, da opereta Mariúza.

Ao lado de Joubert de Carvalho, ele deixaria clássicos como Zíngara, canção, e De Papo Pro Á, cateretê, ambos gravados em 1931 por Gastão Formenti.

Ainda seria citado na canção nortista de Nelson Ferreira e Osvaldo Santiago, Carta de Mané Trapiá, gravada por Alda Verona em 1929.

Além dele mesmo, que gravou alguns de seus poemas, grandes intérpretes registraram suas composições em discos, como os já citados, Aracy Côrtes, Carmen Miranda, Patrício Teixeira, Gastão Formenti, Jorge Fernandes, Vicente Celestino, Olga Praguer Coelho, só para citar alguns.

Olegário Mariano faleceu no Rio de Janeiro em 28 de novembro de 1958.


Olegário Mariano
Fon Fon, 1928
http://memoria.bn.br



Vamos ouvir alguns poemas gravados por ele e outros, musicados, gravados por vários intérpretes entre 1926 e 1932.



DECLAMAÇÕES POR OLEGÁRIO MARIANO

AS DUAS SOMBRAS
Declamação de Olegário Mariano (versos) e Hekel Tavares (música)
Gravada por Olegário Mariano
Acompanhamento de Romeo Ghipsman ao violino e Hekel Tavares ao piano
Disco Parlophon 12.833-A, matriz 1908-I
Lançado em setembro de 1928



O SOLDADINHO QUE PASSA
Declamação de Olegário Mariano (versos) e Hekel Tavares (música)
Gravada por Olegário Mariano
Acompanhamento de Romeo Ghipsman ao violino e Hekel Tavares ao piano
Disco Parlophon 12.833-B, matriz 1902-I
Lançado em setembro de 1928



MEU BRASIL
Declamação de Olegário Mariano
Gravada por Olegário Mariano
Disco Parlophon 12.853-B, matriz 1934
Lançado em novembro de 1928




OLEGÁRIO MARIANO COMPOSITOR

SEU ZÉ RAIMUNDO
Toada Sertaneja de Olegário Mariano
Gravada por Patrício Teixeira
Disco Odeon Record 123.136
Lançado em 1926



INFANTIL
Canção de Marcelo Tupinambá e Olegário Mariano
Gravada por Leontina Knesse
Disco Odeon 10.114-B, matriz 1459
Lançado em 1928



O BOIADEIRO
Canção de Hekel Tavares e Olegário Mariano
Gravada por Sérgio da Rocha Miranda
Acompanhamento de Hekel Tavares ao piano
Disco Odeon 10.206-B, matriz 1706
Lançado em 1928



DESALENTO
Valsa Modinha de Olegário Mariano
Gravada por Patrício Teixeira
Acompanhamento de dois violões
Disco Odeon 10.239-B, matriz 1687
Lançado em setembro de 1928



A POLÍCIA JÁ FOI LÁ EM CASA
Samba de Olegário Mariano e Júlio Cristóbal
Gravado por Aracy Côrtes
Acompanhamento da Orquestra Pan American
Disco Odeon 10.426-A, matriz 2656
Lançado em julho de 1929



SUAVE RECORDAÇÃO
Valsa de Gastão Lamounier e Olegário Mariano
Gravada por Gastão Formenti
Acompanhamento da Orquestra Brasil
Disco Parlophon 13.180-A, matriz 3611
Gravado em 1930 e lançado em julho



A CARÍCIA DE UM BEIJO
Fox Canção de Joubert de Carvalho e Olegário Mariano
Gravado por Floriano Belham
Acompanhamento de Orquestra
Disco Victor 33.448-A, matriz 65029-1
Gravado em 19 de novembro de 1930 e lançado em julho de 1931



ABSOLUTAMENTE
Marcha de Joubert de Carvalho e Olegário Mariano
Gravada por Carmen Miranda
Acompanhamento de Orquestra
Disco Victor 33.458-A, matriz 65171-1
Gravado em 22 de junho de 1931 e lançado em agosto



DE PAPO PRO Á
Cateretê de Joubert de Carvalho e Olegário Mariano
Gravado por Gastão Formenti
Acompanhamento de Orquestra Típica
Disco Victor 33.469-A, matriz 65226-2
Gravado em 28 de agosto de 1931 e lançado em outubro



GALANTERIA
Intermezzo de Olegário Mariano
Gravado por Jorge Fernandes
Acompanhamento da Orquestra Columbia
Disco Columbia 22.080-B, matriz 381153-1
Lançado em março de 1932



MEU BRASIL
Canção Patriótica de Olegário Mariano e Pedro de Sá Pereira
Gravada por Vicente Celestino
Acompanhamento da Orquestra de Concertos Columbia
Disco Columbia 22.105-B, matriz 381198-1
Lançado em abril de 1932



CABOCLINHO
Canção de Joubert de Carvalho e Olegário Mariano
Gravada por Jorge Fernandes
Acompanhamento da Orquestra Victor Brasileira, sob a direção de João Martins
Disco Victor 33.582-B, matriz 65527-2
Gravado em 23 de junho de 1932 e lançado em agosto










Agradecimento ao Arquivo Nirez









Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...